Palavras de Poetas III

Livro Palavras de Poetas

Lançamento: 1994
Editora: Physis

Mariana

tua pequenitude à mente de todos alude.
em cada pequena rua um sonho de desejo e virtude.
pequena menina mariana.
colinas que abençoam.
toda a imensidão de extrema beleza e vastidão.
que as minas gerais proporcionam.
pequena menina mariana.
cuja população faz de tua simplicidade,
lugar de plena paz e felicidade.
pequena menina mariana.
a doçura de seu povo mais sua beleza histórica,
dão a sensação de um dia passado,
em suas severas habitações termos morado.
algum dia que a vida revela.
alguma passagem ou delírio.
alguma época histórica, heróica bela.
algum dia seu ardente amante desprezado filho.
pequena menina mariana.
dia que a vida não retratou.
passagem por um sonho que se diluiu.
época inconsciente de origem inconfidente de nada restou.
dia de um amor de homem que se consumou.
de amor por ti, pequena menina mariana.
por sua pequena grandiosidade como comunidade,
por cada banco da praça central.
pelo cumprimento camarada de seus moradores,
por cada pedra sofrida de suas ruas,
todas iluminadas como olhar maroto de menina
pequena menina mariana

 

Pingado

Peço um Pingado.
Para poder me acalmar.
Antônio, por favor!
Mais o misto quente.

Sinto-me a partir daí,
Um ser feliz.
Contemplado.
Agradeço a todos os Deuses.
Por pelo menos.
Poder saborear um pingado.

– Misto quente na mão, patrão!
Heh, Antônio, que seria de nós…
Sem esses momentos prazerosos,
Do Pingado,
Do Afago,
Do Amor,
Ou mesmo dos Sonhos…

Que vivamos, Antônio!
Pra quê desistir?
Besteira, coisa tola…
Que possamos, Antônio,
Tocar nossa vidinha,
Às vezes contemplada,
Com um cervejinha…
Num bar qualquer…
Beijo estalado,
Na Mulher Amada…
Samba na rua,
A Vila toda animada…

Pois então brindemos, Antônio!
Pelos doces prazeres que nos trazem Felicidade…
De pelo menos poder tomar um bom Pingado…